“Não podíamos ficar parados esperando uma oportunidade cair do céu” – DeadGod, da Vivo Keyd

Conversamos com a estrela da Vivo Keyd sobre a sétima temporada da LBFF e a preparação para o play-in do FFWS 2022 Sentosa

“Foi um alívio muito grande.” As palavras de DeadGod resumem bem o sentimento dos Guerreiros na final da sétima temporada da LBFF. Depois de uma temporada recheada de instabilidade, a Vivo Keyd chegou desacreditada na Grande Final, mas conseguiu fazer o que sempre fez de melhor: surpreender.

Conversamos com Jardel Pereira de Araújo, o DeadGod, sobre os momentos decisivos da competição e a preparação para o play-in do FFWS 2022 Sentosa.

——

Na equipe desde o início de 2021, DeadGod é um verdadeiro líder dentro dos servidores e já tem pouco a provar dentro do cenário competitivo. Sempre ao lado de Modestia, com quem joga junto desde os tempos de B4 ainda em 2020, o jogador é um dos principais nomes da equipe e responsável direto pela conquista do título na quinta temporada e de dois vice-campeonatos em sequência.

Mas a sétima temporada trouxe surpresas. De favorita à decepção, a Vivo Keyd chegou cercada de dúvidas na Grande Final: o 12º lugar na fase de grupos, com direito à vaga ameaçada na reta final, fazia parecer que a outrora imbatível Vivo Keyd já não era mais a mesma. E o começo do dia decisivo não pareceu nada promissor.

Mas os Booyahs na quinta e oitava queda despertaram esperança e trouxeram de volta o brilho no olhar dos campeões: “Foi na última queda. Demos um Booyah com 17 eliminações. Foi um alívio muito grande. Infelizmente não conseguimos o título, mas a vaga no mundial é muito importante para nós”, desabafou Jardel. 

Com apenas 19 anos, o herói da Vivo Keyd não esconde seu sentimento em relação à etapa classificatória: “Viemos de uma temporada muito dura, em que conseguimos apenas o top 12. Todo mundo estava desacreditado da gente. Ninguém mais acreditava que pudéssemos ser campeões ou vice, ninguém. Calamos a boca de muita gente”, revelou. “É o que eu sempre falei: classificatória é classificatória, final é final”. 

A Vivo Keyd chegou na última queda sabendo que era a hora de dar o máximo, mesmo que o título da LOUD já estivesse praticamente garantido. Afinal, ainda existia uma vaga no mundial, uma chance que foi, de certa forma, tirada da Vivo Keyd nas duas últimas temporadas: “Chegamos na última queda e olhamos uns pros outros pensando: essa é nossa, essa é a queda que vai colocar nosso nome na história. Começamos tranquilos, mas saímos rushando todo mundo, fomos para o tudo ou nada. Era a última queda, não podíamos ficar parados esperando uma oportunidade cair do céu. Fomos em busca da classificação”. 

E deu certo. 17 abates e um Booyah depois, o vice-campeonato, quarto na história da equipe na LBFF, veio. Mas o carimbo no passaporte veio junto. Agora, o destino é Sentosa. “O primeiro passo é estudar os times do play-in, afinal precisamos passar por eles para garantir a vaga na final. Saber jogar a gente já sabe, agora é estudar, ver como eles jogam e se adaptar ao estilo de jogo”, revela DeadGod sobre a preparação.

A Vivo Keyd entra nos servidores no próximo sábado, dia 14 de maio. DeadGod terá um torcedor especial aqui no Brasil, seu irmão JapaBKR, que já representou o país em Singapura e ficou com a quarta colocação ao lado do Fluxo.

Chegou a hora de outro Guerreiro brilhar. 

“Vamos trazer o título Mundial para o Brasil” – Kroonos, da LOUD

Categorias: Destaques, Entrevista, FFWS, Free Fire