boletim-lbff 6

Especialistas fazem suas apostas para a LBFF 6 – parte 1

A LBFF 6 chegou! E é hora de conferir as apostas dos especialistas para a temporada que promete ser a mais equilibrada de todos os tempos.

Fala, Tropa! A LBFF 6 tá chegando e é hora de reunir quem realmente entende muito de Free Fire e do nosso cenário competitivo para falar um pouco sobre o próximo split. Dessa vez, traremos a opinião de seis importantes membros da comunidade e dividiremos tudo em dois artigos especiais.

Nesta primeira parte, vocês podem conferir as apostas de Narito, Central Free Fire e The Radioativo para a próxima etapa.

Narito

Los Grandes é uma das favoritas, segundo Narito

Candidatos ao título: Los Grandes e Fluxo

Mais uma vez tivemos um mercado de transferências entre splits bastante movimentado. Uma das protagonistas desse período foi a equipe da Los Grandes que, após dispensar três jogadores, anunciou a contratação de dois nomes de peso para a disputa da LBFF: MVR e Cebolinha. Além disso, Mamute, que foi um dos destaques da LBFF 5, permaneceu na equipe. Desta forma, a Los conseguiu, ao menos no papel, formar uma base com bastante potencial para brigar pelo título.

Já o Fluxo mantém o seu squad de peso – e liderado pelo mestre K9 – desde a sua formação. Após ser campeã da LBFF 4 logo em sua estreia, a equipe de Nobru conquistou o top 4 no mundial e a terceira colocação na LBFF 5. A equipe parece não ter perdido o gás e chega novamente como favorita para esta temporada.

Pode surpreender: Tropa

Fazendo sua estreia na Série A, a equipe da Tropa fez uma mescla interessante de jogadores que poderá dar trabalho sob o comando de Capgui, ex técnico da Nitroxx Top 10. D3, Moreira e SPIL – já experientes no quesito LBFF – terão como parceiros Guiga e KILEDy, ex-jogadores da Voltz que conseguiram acesso a Serie A através da repescagem, e Legit, ex-jogador da W7M, atual campeã da Série B. Um elenco interessante pra ficar de olho nesta temporada.

Grupo de Acesso ou Rebaixamento: Nitroxx Top10, FURIA, Team Coda solid e Real e-Sports

A equipe da Real, antes em parceria com o Santos, já começou a LBFF 5 sob desconfiança e não conseguiu reverter as expectativas, ficando de fora da final e tendo que defender sua vaga no Grupo de Acesso. A equipe parece não ter se reforçado a altura e inicia mais uma LBFF com baixas expectativas.

Além disso, a NT10 perdeu seu técnico, Capgui, além de Victor e Spil. Já a FURIA perdeu One9 e Field e traz dois jogadores estreantes na competição, se tornando uma grande incógnita para o split.

Por fim, a Team Coda Solid pode acabar se dando mal caso não encaixe um jogo mais coletivo, visto que esse será um campeonato mais longo e mais cansativo para sempre depender do desempenho de VitinXP.

Central Free Fire

vivo-keyd-lbff-6
Vivo Keyd deverá lutar pelo bicampeonato, segundo Central Free Fire

Candidatos ao título: Loud, Fluxo, Corinthians e Vivo Keyd

Chega a ser redundante falar da LOUD e do Fluxo. Apesar de estilos diferentes, ambas as equipes sempre estreiam como grandes favoritas ao título, independente da competição. São as equipes que contam com os já considerados MVPs mundiais Kroonos e Nobru. Daria facilmente para formar uma seleção brasileira apenas com essas duas equipes. 

O Corinthians não fica muito atrás. A equipe alvinegra, que costuma crescer em finais, vem de dois bons desempenhos nos dois últimos splits da LBFF. Não será nenhuma surpresa vê-los novamente brigando na parte de cima da tabela na LBFF 6.

A Vivo Keyd, atual campeã nacional, é uma das equipes a serem batidas. A organização, que por muitas vezes bateu na trave, enfim conquistou o tão sonhado título. A equipe é muito forte, os jogadores jogam juntos há algum tempo e essa será a oportunidade de um inédito bicampeonato.

Podem surpreender: Los Grandes, Bonde, TSM e Tropa

A Los Grandes, recém chegada da série B, vem em processo de recuperação e ampliação de prestígio no cenário. Pela primeira vez a equipe terá um grande patrocinador e investiu como nunca na montagem da equipe. A chegada de mvR! e o retorno de Cebolinha que, somados a Mamute e companhia, credencia a equipe ao topo da tabela, ao menos em teoria.

O Bonde, como é chamada a equipe de Level up, chega na série A após adquirir a vaga da W7M (atual campeã da LBFF série B). Vale lembrar que Level Up é bicampeão mundial e considerado por muitos como o destaque da conquista mundial do Corinthians. Ser dono de uma equipe pode significar um recomeço para Level Up no cenário competitivo, uma vez que não conseguiu desempenhar seu melhor jogo após sair do Corinthians. As passagens por Vivo Keyd e Black Dragons não corresponderam às expectativas e foram frustrantes para ambas as partes. Pelo simples fato de ser dono de uma equipe, Level UP tem a chance de moldar sua line ao seu estilo e surpreender a todos no split. 

A TSM, uma das organizações mais valiosas do mundo, chega ao Free Fire após adquirir a vaga conquistada pela Black Dragons. A formação, que foi bem no acesso e trouxe de volta a BD para a elite, será mantida com os experientes “Nappon” e “Broco”, além da contração de Rush (ex-Santos). Tendo em vista essa magnitude, a organização não chega no cenário para ser mero coadjuvante e pode, de início, acabar surpreendendo. 

A Tropa, que chega na série A após adquirir a vaga da Voltz, pode acabar surpreendendo. A organização investiu pesado na montagem da equipe e a formação conta com nomes como D3 (ex-paiN), Moreira (ex-INTZ) e Capgui (ex-técnico da NT10). A equipe tem todos os elementos para superar as expectativas e fazer um bom split.

Grupo de Acesso ou Rebaixamento: AmazonCripz e Xisde

A equipe amazonense, que passou por diversas dificuldades na série B e merecidamente conseguiu o acesso, fará sua estreia na elite do Free Fire. Em comparação com os demais concorrentes, a organização deve investir bem mais em estrutura do que em grandes nomes para sua composição. Após a saída de Prozin, um dos melhores jogadores da equipe, o objetivo principal parece ser a permanência na série A.

Assim como a AmazonCripz, a Xisde pode acabar demorando um tempo para se encaixar na competição. Isso porque o nível da elite do Free Fire é muito superior ao da Série B. Ambas as equipes precisarão adaptar-se o mais rápido possível se quiserem garantir a permanência na Série A.

Por fim, o Real e-Sports vem de um fim de parceria com o Santos. Alguns jogadores agora, inclusive, reforçam outras equipes. A Nitrox teve perda na line-up e perdeu também uma das principais peças da equipe: o coach Capgui (que agora está na Tropa). Real E-sports e Nitrox Top 10, ao meu ver, são equipes que podem acabar brigando na parte de baixo da tabela (pra tristeza dos seus torcedores).

The Radioativo

tsm-ftx-lbff-6
TSM pode surpreender, segundo The Radioativo

Estamos cada vez mais próximos do início da LBFF 6. Como de costume, o mercado mudou muito a cara das equipes, principalmente aquelas que foram mal no split passado e se veem na obrigação de trazer mudanças. Por outro lado, equipes que conseguiram um bom resultado mantiveram boa parte do elenco. Mas algumas equipes merecem destaque e podem vir muito fortes para a sexta temporada.

A Netshoes Miners, após um resultado abaixo do esperado no split passado, em que se classificou com sufoco para a final, resolveu mudar e trouxe dois nomes de peso para sua formação: RiccK (ex-paiN) e Peu (ex-Team Liquid). Porém a perda de Cebolinha, Igzin e Vittin pode pesar, mas essas mudanças trazem um time com uma mentalidade diferente e a chegada de jogadores experientes pode dar trabalho aos adversários.

Temos também muitas organizações novas que podem surpreender, como a TSM, que negociou a vaga com a Black Dragons, assumiu a formação que se classificou para a Série A e trouxe Rush (ex-Santos/Real) como reforço. Alguns jogadores, como Nappon e Broco já atuaram na Série A e, sob o comando de Elias, a equipe pode surpreender.

Vivo Keyd, a atual campeã, praticamente não mudou seu time. Apenas a volta de Reei, ex-jogador profissional que se tornou um influenciador pela equipe, é a novidade, que traz de volta a formação conhecida como “reidestia”.

LOUD e Fluxo mantém seus jogadores e comissões técnicas. Dois times fortes e altamente competitivos, donos da maior rivalidade nacional que todo amante de Free Fire gosta de acompanhar. Um ponto importante é que ViniZX não está escalado para a temporada e pode fazer falta para a equipe da LOUD.

Resumindo, as equipes não vêm para brincadeira – teremos até mesmo o retorno de um campeão mundial, Level UP, que chega com sua nova organização, o Bonde. Arrisco a dizer que essa competição será tão competitiva quanto a anterior e é difícil escolher um time favorito com tantos jogadores habilidosos na competição.

E você já sabe, a sexta temporada começa no próximo sábado, dia 28 de agosto, e as transmissões acontecem sempre ao vivo nos canais oficiais do Free Fire no YouTube e na Booyah!, plataforma de streaming da Garena.

Para mais informações sobre Free Fire, acompanhe as redes sociais da Garena no FacebookInstagram e TwitterFree Fire pode ser baixado pela App Store e Google PlayStore.

Categorias: Destaques, Free Fire, LBFF
Tags: , , , , , , , , ,