lbff-6-especialistas

4 anos de Free Fire – Uma história chamada LBFF

Os 4 anos de Free Fire chegaram. E nada melhor do que uma série de artigos celebrando o competitivo do maior game mobile da atualidade.

Free Fire está completando 4 anos de história. Mesmo com um cenário competitivo relativamente recente – as disputas da LBFF começaram em fevereiro de 2020 – são várias conquistas, superações e frustrações.

Um cenário lindo, construído com amor e dedicação por jogadores, casters e, principalmente, por um público fanático. Crescendo mais e mais a cada split, a LBFF coleciona recordes de audiência e engajamento. Assim, para comemorar o quarto aniversário do maior game mobile da história, nada melhor do que relembrar um pouco do que já rolou na competição mais equilibrada do mundo no Battle Royale.

Esse é o primeiro de uma série de três artigos que celebram a história do Free Fire, a história da LBFF.

LBFF 1 – Um show da Cavalaria

Team Liquid - LBFF 1

Fevereiro de 2020. Depois de muita expectativa, finalmente tinha início aquela que se tornaria a competição mais equilibrada no Free Fire mundial. Realizada presencialmente em São Paulo, a primeira edição da LBFF foi gigante. Substituindo a Free Fire Pro League Brazil, a competição reuniu os 12 melhores times nacionais durante seis semanas intensas de competição.

Em um campeonato disputado por pontos corridos, logo algumas equipes começaram a se destacar na busca do tão sonhado título. Equipes que ainda hoje dominam o cenário, como a atual campeã Vivo Keyd e a sempre temida LOUD, chegavam como favoritas. Além disso, grandes nomes do esports entraram de vez no cenário competitivo de Free Fire, como a FURIA e a Team Liquid.

A Cavalaria e os Guerreiros da Vivo Keyd decidiram o título somente na última rodada. A Vivo Keyd contava com grandes nomes do cenário competitivo, como Kroonos, primeiro MVP de uma competição de nível mundial. Mas a Team Liquid, liderada por JapaBKR, terminou como grande campeã da primeira edição da LBFF – uma das organizações mais importantes da história dos esports gravava seu nome nos memoriais do Free Fire.

JapaBKR, conhecido como Senhor LBFF, foi eleito o MVP da competição e o técnico K9, ainda na Vivo Keyd, começava sua coleção de participações na Seleção LBFF. Além disso, Nobru e Kroonos já eram grandes destaques no cenário.

LBFF 2 – Pandemia muda planos

2020 também foi marcado pelo distanciamento social, que mudou o rumo das competições de esports e colocou uma interrogação na cabeça de todos. A segunda temporada da Séria A, que aconteceria novamente de forma presencial em São Paulo, foi cancelada pela Garena, visando a saúde de seus participantes. Além disso, as disputas das Séries B e C também não aconteceram.

Embora as duas divisões inferiores sempre aconteçam de forma online, foram respeitadas as medidas de segurança e distanciamento social, evitando que os jogadores tivessem que se reunir.

LBFF 3 – A surpreendente SS e-Sports

tami-ss-esports-lbff3

Depois do cancelamento da LBFF 2, criou-se muita expectativa sobre a terceira temporada. Dessa vez, 18 times disputariam o título durante nove semanas de competição. Além disso, o campeonato não seria disputado por pontos corridos – finalmente teríamos uma Grande Final, disputada em dois dias.

Um dos destaques da competição era a chegada do Flamengo ao cenário do Free Fire. Em uma parceria com a B4, o rubro-negro carioca iniciou sua história no Battle Royale e sempre esteve na briga pelas posições mais altas da tabela. Além da briga pelo título, as quatro melhores equipes da competição garantiam vaga para o Free Fire Continental Series 2020: Americas.

A grande surpresa da competição foi a SS e-Sports. Eles chegaram de mansinho após conquistarem o terceiro lugar na Séria C da LBFF 1 – posição que garantia a vaga para a elite do Free Fire. Após uma bela campanha na primeira fase da competição, o Suicide Squad chegou nervoso para a final e não teve um desempenho bom no primeiro dia. Mas a consistência no segundo dia de finais consagrou a equipe como a grande campeã da temporada.

Talvez essa seja uma das conquistas mais importantes da história da LBFF. Pela primeira vez, uma mulher era campeã da competição mais importante do cenário. Tami foi peça chave na equipe, tanto na classificação para a Série A, quanto no split que colocou a equipe no topo do cenário. Além disso, Cauan7 dava as caras no cenário para se tornar um dos melhores jogadores da atualidade.

LBFF 4 – A estreia do Fluxo

Depois de conquistar o Free Fire World Series 2019, o Corinthians teve um ano apagado em 2020. O melhor resultado foi o quarto lugar na Copa America e, após o fracasso na Continental Series 2020: Americas, o astro Nobru decidiu seguir um caminho diferente. Mesmo com várias propostas de outras equipes, Bruno Goes decidiu fundar a própria organização, buscando se aproximar mais da comunidade que tanto lhe apoiou. Assim nasceu o Fluxo, que estreou a LBFF 4 e logo mostrou que brigaria por títulos.

Além de Nobru, a experiência de JapaBKR foi fundamental na campanha da equipe. F4K, Godkill e Syaz ainda eram novatos quando o assunto é LBFF e K9 veio para liderar uma equipe que mirava alto. Depois que encontraram o entrosamento, não pararam mais. O segundo lugar na fase de grupos era só uma prévia do que viria na grande final, que proporcionou um dos momentos mais marcantes da história da LBFF.

Após o empate entre Fluxo e LOUD, ambos com 103 pontos, a quarta edição da competição precisou ser decidida no critério de desempate. E o time de Nobru havia conseguido um Booyah! que fez toda a diferença. Novato, Syaz foi um dos grandes destaques da campanha, figurando na Seleção LBFF ao lado de K9, figurinha carimbada no posto de melhor técnico do Brasil.

LBFF 5 – Finalmente Vivo Keyd

Um fato curioso e divertido – exceto para a torcida da Vivo Keyd – é que a equipe era assombrada por vice-campeonatos. Na primeira e terceira edições, a equipe não conquistou o título por pouco e parecia amaldiçoada. Após a chegada de Modestia e DeadGod na LBFF 4, o time começava a se estruturar e prometia brigar pelo topo. As chegadas de Nando9, General e do técnico Stark davam cara à um projeto que buscaria o título.

E o domínio foi absoluto. Em uma temporada marcada pelos recordes de JapaBKR e da LOUD, um equilíbrio muito grande marcou o campeonato, com Corinthians e Fluxo sempre brigando pelo topo da tabela. Ainda assim, a Vivo Keyd conseguiu se destacar e dominou o cenário durante praticamente toda a temporada. A fase de grupos foi encerrada com dois finais de semana perfeitos por parte dos Guerreiros, que lideraram a competição em pontos e abates.

O favoritismo para a grande final se escancarou nas duas primeiras quedas do dia. Mas, aparentemente, a disputa começou na terceira queda para a equipe que se assumiu o posto de time a ser batido.

As estatísticas falam por si. Com 392 abates durante a competição, os Guerreiros tiveram seus quatro principais jogadores no top10 de abates da temporada. Nando9 foi o grande destaque do split, sendo considerado por muitos como o melhor suporte do cenário nacional. Ainda assim, o MVP foi Syaz, do Fluxo, que vem se consolidando cada vez mais como o melhor do país.

Mas, como mais um exemplo do equilíbrio do cenário atual, a última temporada fez vítimas de grande relevância. A paiN Gaming foi a primeira delas. Logo em seguida, foi a vez da INTZ – que já vinha de outras duas disputadas no Grupo de Acesso – e da Team Liquid, primeira campeã da LBFF, serem rebaixadas.

Bônus – A superação da AmazonCripz

Por fim, não podemos deixar de falar da linda história contada pela equipe da AmazonCripz.

Eles chegaram como um dos favoritos na disputa do Grupo de Acesso da LBFF 4, que garantia quatro vagas para a quinta temporada. Mas o que ninguém esperava era o drama que a equipe Amazonense viveria. Após uma queda de energia, a equipe precisou usar as conexões 4G para disputar a maior chance de suas vidas. Assim, rodaram de carro pela cidade buscando o melhor sinal.

Mas era injusto e impossível disputar uma competição de tão alto nível contra equipes com conexões estáveis. Os 17 pontos somados ao final do dia ficaram marcados na história da equipe.

Ainda assim, a equipe deu a volta por cima e conseguiu uma segunda chance no Grupo de Acesso da LBFF 5. E dessa vez, a felicidade tomou conta da AmazonCripz, que fará sua estreia na sexta temporada e quer surpreender com um estilo de jogo agressivo e alegre.

Você já sabe! A LBFF 6 está chegando. As transmissões acontecem sempre ao vivo nos canais oficiais do Free Fire no YouTube e na Booyah!, plataforma de streaming da Garena. E pra não perder nada, fique sempre de olho nas redes sociais oficiais do Free Fire no Facebook, Instagram e Twitter.

Categorias: Destaques, Free Fire, LBFF